CONQUISTA - Projeto Kaza Glauber entra na pauta da Câmara

Resultado de imagem para CASA ONDE NASCEU GLAUBER
Foto: Redes Sociais

A viabilização do projeto Kaza* Glauber, iniciativa reivindicada por duas décadas pela classe artística conquistense e que articula, material e simbolicamente, a memória cinematográfica e cultural brasileira em torno da obra do mundialmente famoso cineasta conquistense, Glauber Rocha, foi uma das pautas entre reunião do presidente da Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC), Hermínio Oliveira (PPS), e o deputado federal Arthur Maia (PPS), que visitou o município no último sábado, 11.
Durante o encontro, que contou com a presença de representantes da cultura na cidade, o deputado se mostrou interessado em interceder e facilitar os trâmites legais para a aquisição e tombamento da casa onde nasceu o artista, localizada na Rua 2 de Julho, prevista para se tornar a sede do projeto. Ainda durante a conversa, o deputado telefonou para o atual Ministro da Cultura, Roberto Freire (PPS), e propôs intermediar o diálogo entre o Ministério da Cultura (MinC) e o município para que o acervo da obra do cineasta, hoje sob a guarda do MinC, possa ser deslocada para Vitória da Conquista, para a Kaza Glauber. Freire recebeu bem a ideia e deverá conceder audiência ao prefeito Herzem Gusmão (PMDB) e à comissão que atualmente cuida do processo de implantação do projeto, além de representantes da Câmara de Vereadores. “Discutimos muitos projetos com o deputado Arthur Maia e esse é muito importante para Conquista, resgata a nossa memória. Vamos dar todo o apoio para que ele se concretize”, disse o presidente.
Nesta primeira discussão, ficou acordada ainda uma aproximação mais direta com a comissão do projeto, formada por Paloma Rocha, filha de Glauber, e outros membros da família do cineasta, representantes dos poderes Executivo e Legislativo, além de outras instituições parceiras, no sentido de agilizar os encaminhamentos da aquisição da casa e dos primeiros passos para a implantação da Kaza Glauber.
Além da Kaza Glauber, Arthur Maia tratou ainda do projeto de implantação da Rádio Câmara e ações para a continuidade dos trabalhos do Memorial Câmara, reaberto ao público no final de 2016.

* A Kaza Glauber recebe a grafia diferente, utilizando as consoantes K e Z, em homenagem ao próprio cineasta que em seus escritos subverteu a língua portuguesa adotando uma grafia específica a partir da palavra Kinema, que no grego significa movimento.

Sobre Glauber RochaResultado de imagem para glauber rocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Glauber de Andrade Rocha (Vitória da Conquista, 14 de março de 1939 — Rio de Janeiro, 22 de agosto de 1981) foi um cineasta brasileiro e também ator e escritor.[1]

Filho de Adamastor Bráulio Silva Rocha e de Lúcia Mendes de Andrade Rocha, Glauber Rocha nasceu na cidade de Vitória da Conquista, sudoeste da Bahia e era o mais velho dos 4 irmãos e único menino da família.
Foi criado na religião da mãe, protestante, membro da Igreja Presbiteriana, por ação de missionários norte-americanos da Missão Brasil Central.
Alfabetizado pela mãe, estudou no Colégio do Padre Palmeira - instituição transplantada pelo padre José Luiz Soares Palmeira de Caetité (então o principal núcleo cultural do interior do Estado).
Em 1947 mudou-se com a família para Salvador, onde seguiu os estudos no Colégio 2 de Julho, dirigido pela Missão Presbiteriana, ainda hoje uma das principais escolas da cidade. Em 1952, perdeu uma irmã, Ana Marcelina, morta com apenas 11 anos em decorrência de uma leucemia, o que causa grande impacto em toda a família. Mas logo ganhou uma outra irmã, Ana Lúcia Mendes Rocha, a irmã mais nova de Glauber, que viria a ser sua confidente pelo resto de sua vida. Ana Lúcia era filha de seu pai com uma cigana, que morreu durante o parto.
Ali, escrevendo e atuando numa peça, seu talento e vocação foram revelados para as artes performativas. Participou em programas de rádio, grupos de teatro e cinema amadores, e até do movimento estudantil.
Começou a realizar filmagens (seu filme Pátio, de 1959, ao mesmo tempo em que ingressou na Faculdade de Direito da Bahia, hoje da Universidade Federal da Bahia, entre 1959 a 1961), que logo abandonou para iniciar uma breve carreira jornalística, em que o foco era sempre sua paixão pelo cinema. Da faculdade foi o seu namoro e casamento com uma colega, Helena Ignez.
Sempre controvertido, escreveu e pensou cinema. Queria uma arte engajada ao pensamento e pregava uma nova estética, uma revisão crítica da realidade. Era visto pela ditadura militar que se instalou no país, em 1964, como um elemento subversivo.[2]
No livro 1968 - O ano que não terminou, Zuenir Ventura registra como foi a primeira vez que Glauber fez uso da maconha, bem como o fato de, segundo Glauber, esta droga ter seu consumo introduzido na juventude como parte dos trabalhos da CIA no Brasil.
Em 1971, com a radicalização do regime, Glauber partiu para o exílio, de onde nunca retornou totalmente. Em 1977, viveu seu maior trauma: a morte da irmã, a atriz Anecy Rocha, que, aos 34 anos, caiu em um fosso de elevador.

Perseguição política

Em 2014, documentos revelados pela Comissão da Verdade indicaram que o governo militar pretendia matar Glauber Rocha, que se encontrava exilado em Portugal. O relatório foi produzido pela Aeronáutica, e descreve Glauber como um dos líderes da esquerda brasileira. A monitoração de Glauber era feita através de entrevistas que ele concedia a publicações europeias, criticando o governo militar e a repressão promovida por ele, considerando seus depoimentos um "violento ataque ao país".[3]

Morte

Glauber faleceu vítima de septicemia, ou como foi declarado no atestado de óbito, de choque bacteriano, provocado por broncopneumonia que o atacava havia mais de um mês, na Clínica Bambina, no Rio de Janeiro, depois de ter sido transferido de um hospital de Lisboa, capital de Portugal, onde permaneceu 18 dias internado. Residia há meses em Sintra, cidade de veraneio portuguesa, e se preparava para fazer um filme, quando começou a passar mal.

Carreira

Antes de estrear na realização de uma longa metragem (Barravento, 1962), Glauber Rocha realizou vários curtas-metragens, ao mesmo tempo que se dedicava ao cineclubismo e fundava uma produtora cinematográfica.[4]
Deus e o Diabo na Terra do Sol (1963), Terra em Transe (1967) e O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969)[5] são três filmes paradigmáticos, nos quais uma crítica social feroz se alia a uma forma de filmar que pretendia cortar radicalmente com o estilo importado dos Estados Unidos. Essa pretensão era compartilhada pelos outros cineastas do Cinema Novo, corrente artística nacional liderada principalmente por Rocha e grandemente influenciada pelo movimento francês Nouvelle Vague e pelo Neorrealismo italiano.[6]
Glauber Rocha foi um cineasta controvertido e incompreendido no seu tempo, além de ter sido patrulhado tanto pela direita como pela esquerda brasileira. Ele tinha uma visão apocalíptica de um mundo em constante decadência e toda a sua obra denotava esse seu temor. Para o poeta Ferreira Gullar, "Glauber se consumiu em seu próprio fogo".
Com Barravento ele foi premiado no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary na Tchecoslováquia em 1964. Um ano depois, com 'Deus e o diabo na terra do sol, ele conquistou o Grande Prêmio no Festival de Cinema Livre da Itália e o Prêmio da Crítica no Festival Internacional de Cinema de Acapulco.
Foi com Terra em Transe que tornou-se reconhecido, conquistando o Prêmio da Crítica do Festival de Cannes, o Prêmio Luis Buñuel na Espanha, o Prêmio de Melhor Filme do Locarno International Film Festival, e o Golfinho de Ouro de melhor filme do ano, no Rio de Janeiro. Outro filme premiado de Glauber foi O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, prêmio de melhor direção no Festival de Cannes e, outra vez, o Prêmio Luiz Buñuel na Espanha.
Cquote1.svgInventar-te-ia antes que os outros te transformem num mal-entendido. Glauber RochaCquote2.svg

Filmografia

Longas-metragens
AnoFilmePrêmios e Indicações
1962Barravento
1964Deus e o Diabo na Terra do SolIndicado: Festival de Cannes: Palma de Ouro
1967Terra em TranseVencedor Festival de Cannes: FIPRESCI
Indicado: Festival de Cannes: Palma de Ouro
1968O Dragão da Maldade contra o Santo GuerreiroVencedor Festival de Cannes: Melhor Diretor
Indicado: Festival de Cannes: Palma de Ouro
1970Cabeças Cortadas
1971O Leão de Sete Cabeças
1972Câncer [8]
1975Claro
1980A Idade da TerraIndicado: Festival de Veneza: Leão de Ouro
Documentários e curtas-metragens
AnoFilmePrêmios e Indicações
1959Pátio A
1959A Cruz na Praça
1965Amazonas, Amazonas
1966Maranhão 66 B
1974História do Brasil
1974As Armas e o Povo C
1977Di CavalcantiVencedor Festival de Cannes: Melhor Curta-metragem
Indicado: Festival de Cannes: Palma de Ouro[9]
1979Jorge Amado no cinema
A – Glauber estreia com um curta-metragem hermético e experimental, vertentes que logo em seguida ele renegará em favor de um cinema político, mas que reaparecerão mais tarde em filmes como Câncer e A idade da terra.
B – Documentário que registra a posse de José Sarney como governador do Maranhão. Foi financiado pelo próprio evento que marcou o início do domínio político da família Sarney no Estado, interrompido brevemente em 1º de janeiro de 2007, com a posse de Jackson Lago, e encerrada com a esmagadora vitória de Flávio Dino (PcdoB) nas eleições de 2014. Em contrapartida ao discurso de posse e da multidão em celebração, o filme mostra a miséria da população a ser governada. Algumas das imagens documentais da festa foram usadas na montagem de Terra em transe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments