Ufba: PF encontra suspeitos de quadrilha na lista de inscritos em concurso

Plano de quadrilha que iria burlar o exame foi divulgado pelo Sudoeste Digital; prova está mantida
A Polícia Federal (PF) confirmou, na manhã desta sexta-feira (27), que encontrou, na lista de inscritos para o concurso da Universidade Federal da Bahia (Ufba), nomes ligados à organização criminosa da Paraíba, acusada pela Polícia Civil paraibana de fraudar mais de 100 concursos pelo Brasil. A denúncia de que o grupo se preparava para burlar o certame, que acontecerá neste domingo (29), foi publicada pelo Sudoeste Digital na terça-feira (24). Por enquanto, a prova está mantida.
De acordo com o superintendente regional da PF na Bahia, Daniel Justo Madruga, a corporação fez um cruzamento entre a lista de pessoas envolvidas e os nomes dos inscritos – a partir disso, foram encontrados tantos suspeitos de integrar a quadrilha quanto candidatos que seriam beneficiados pelo esquema. 
“Uma primeira etapa do cruzamento das listas já foi concluída, mas eles continuam para verificar quantas pessoas estão envolvidas”, afirmou o superintendente. Segundo ele, os números não serão divulgados por enquanto. A investigação começou a pedido do Ministério Público Federal (MPF), que também recebeu representações de candidatos solicitando apuração do caso.
Madruga reforçou que ainda não há nenhuma suspeição em relação à Ufba e ao Instituto AOCP, que é o responsável pela organização dos exames. “Se tratava de uma quadrilha que se inscreveria para resolver a prova de forma rápida e repassar as respostas para os demais candidatos. Isso não requer nenhum envolvimento do organizador da prova, nem das instituições envolvidas”, garante o superintendente. 
Superintendente da PF afirmou que efetivos vão estar nos locais de prova no domingo
(Foto: Divulgação/Polícia Federal)
No domingo, equipes da PF ficarão nos locais de prova e regiões próximas para verificar se existe algum tipo de fraude, já que as pessoas usam pontos eletrônicos para passar as informações. De acordo com o superintendente, a PF não acredita que a fraude vai ser concretizada, uma vez que integrantes da quadrilha foram presos e o esquema foi desestruturado. 
"No dia prova, a Polícia Federal vai estar com diversas equipes nos locais de prova. Estamos em contato com a Reitoria da Ufba e com a organizadora da prova, e qualquer atitude suspeita vai ser comunicada. Se não estivermos com equipe naquele local, nossas equipes vão ser acionadas", explicou o superintendente da PF na Bahia. Quem for pego fraudando a prova, vai ser preso em flagrante. 
O reforço na segurança no dia da prova dá um alívio aos candidatos, mas não tira totalmente a sensação do medo da fraude, como diz a fisioterapeuta Janaína Pacheco, 28 anos. "Eu acho que já deram o primeiro passo que foi investigar, colocaram uma segurança maior, mas não tira totalmente o medo de ter perdido o tempo estudando. A gente ainda fica com um certo receio", disse a candidata, que mora em Feira de Santana, e chega em Salvador neste sábado (28).
O receio é de que a prova acabe sendo cancelada depois, caso alguma fraude seja descoberta. "É uma coisa que a gente vai fazer com certo receio, pensar que perdi um tempo estudando e depois podem achar a fraude e cancelar a prova", explicou. 
Investigação
No entanto, como a reportagem mostrou, integrantes da quadrilha conseguiram fraudar o concurso do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) ainda este mês. De acordo com o delegado Lucas Sé, que coordena a Operação Gabarito na Paraíba, 31 pessoas foram presas, mas há outras 40 que continuam sendo investigadas. As provas do TJ-PE aconteceram no dia 15. 
As investigações vão continuar após o domingo, para garantir que não houve nenhum ato ilícito na prova, de acordo com Madruga. "Essa medida é preventiva, mas a gente não pode garantir que vai reprimir 100% dos casos. Depois da prova, a gente prossegue a investigação, e se for identificado que houve fraude, essas pessoas vão ser responsabilizadas. Elas vão perder seus cargos e vão ser presas".
O Ministério Público Federal (MPF) está acompanhando o caso em duas frentes: criminal e cível. O procurador Oliveiros Guanais é o responsável pela parte criminal. Ele requisitou a instauração de um inquérito policial pela PF e a distribuição do processo para a área cível. Nesta sexta-feira (27), o MPF confirmou que o processo foi distribuído para 13º Ofício da Tutela Coletiva (área cível) e que o procurador Leandro Nunes irá apurar o caso.
A assessoria da Ufba informou que o posicionamento sobre o caso é o mesmo, com a prova mantida. No final da tarde desta quinta-feira (26), a Ufba reafirmou que as provas estão mantidas para o domingo e que a Polícia Federal está acompanhando o caso.
Confira a nota na íntegra:
"A Universidade Federal da Bahia tomou conhecimento de que vêm circulando pelas redes e veículos de imprensa, notícias sobre supostas fraudes que seriam executadas por quadrilhas organizadas para esse fim, no concurso público para servidor técnico-administrativo da universidade.
Mesmo sabendo que a quadrilha que vem promovendo ameaças aos concursos públicos no Brasil está sob investigação e monitoramento pela Polícia Federal, a instituição solicitou à Polícia Federal na Bahia especial atenção sobre o nosso concurso.
Também deu ciência à Procuradoria da República junto à Ufba e à AOCP, empresa responsável por toda a organização do concurso, para que ela não somente mantenha todos os cuidados necessários durante a realização das provas, como também acione o seu corpo jurídico para acompanhar o desenrolar das investigações.
Finalmente, reafirmamos que o concurso da Ufba está mantido na data programada, com a realização das provas no próximo domingo (29/10)".
(Com informações do Correio)

Comments