domingo, 29 de abril de 2018

SAIBA QUEM ESTÁ POR TRÁS DOS HOMICÍDIOS NA "FEIRA DO ROLO" - Guerra de facções criminosas na zona oeste de Conquista

A "Feira do Rolo", em Conquista, foi palco, mais uma vez, da ação de criminosos a serviço do tráfico de drogas.
Imagem: Divulgação
Jussara Novaes (Sudoeste Digital) - As mortes de Henrique Santos, idade não informada; Marcelo de Oliveira Macedo, 19 anos e  Roque de Jesus, 18, após intenso tiroteio entre eles, neste domingo, 29, na "Fera do Rolo", em Conquista, acirra a guerra entre facções criminosas, lideradas por traficantes, na zona Oeste da cidade. 

Henrique, que morava no Kadija, teria atirado em Marcelo e Roque e morto, por um deles, no revide. No momento do tiroteio, final da manhã, era intensa a movimentação de vendedores e compradores na tradicional feira, no Bairro Brasil. 

A polícia não informou a quantidade, nem quais o tipos de armas usadas no triplo homicídio, assim como se foram recuperadas durante o isolamento da área ou se foram subtraídas por populares. 
Imagem: Redes sociais
Segundo fontes externas, as disputas por territórios envolvem bandidos das facções "K2", chefiada por Diogo Oliveira Campos, o Kiko e os "bondes do Nem Bomba" e do "Neguinho Juarez", que tem no comando Jasiane Silva Teixeira, (dona Maria), principal fornecedora de drogas na região. Eles brigam pelo domínio do território da facção "Tudo 3" ou "333", chefiada por bandidos sob o comando de traficantes de Salvador.


Marcelo e Roque (fotos reprodução) e Henrique, morreram ao defender território dominado por traficantes de drogas.
"Kiko", que pode ter ordenado as mortes na "Feira do Rolo", tanto neste domingo, como a de primeiro deste mês (quando Giovana dos Santos Silva, também foi executada a tiros) responde por mais de 15 homicídios na cidade nos últimos três anos.
Nos muros, a inscrição "Tudo 3" ou "333", relacionando o território ao domínio do tráfico de drogas da facção criminosa.
Imagens: Redes sociais
Ele esteve preso, ganhou direito a condicional e não retornou ao presídio. Foragido desde 4 de outubro de 2015, quando tentou matar policias militares em ronda, o bandido continua atuando, comandando o tráfico de drogas e liderando a facção K2, numa alusão à inicial do seu vulgo e ao Tudo 2.
A expressão “Tudo 2”significa tudo CP (Comando da Paz), que atua em Salvador. O número 2 faz referência à quantidade de letras da sigla. 
Quando do atentado contra os policiais, ele estava em companhia de um comparsa - identificado como Rodrigo - que fugiu. Os dois estavam numa moto no bairro Miro Cairo, próximo ao conjunto Acácia e atiraram em direção à viatura. Diogo foi capturado com um revólver calibre 38. Dias depois já estava livre.

SICÁRIO DO TRÁFICO

De sicário (matador de aluguel) a serviço do Bonde do Neguinho (BDN), facção criminosa liderada pelo traficante e homicida Juarez Vicente Morais, vulgo Neguinho Juarez, Kiko passou a chefe do tráfico, rivalizando com o ex-patrão. 

Com isso ele instaurou a facção K2 e passou a disputar os pontos de tráfico com o BDN e com o BNB, facção do traficante e homicida William de Sousa Filho, vulgo Nem Bomba. Nesse jogo de disputa pelo poder paralelo destaca-se Jasiane Silva Teixeira, (dona Maria), principal fornecedora de drogas na região. Ela também é foragida da Justiça.

Deixe o seu comentário!