SURTO - Rapaz de Barra Nova desaparece após abandonar emprego em surto psicótico

Imagem: Redes sociais



NO FINAL DA TARDE A FAMÍLIA INFORMOU QUE O RAPAZ APARECEU NO DISTRITO, MAS NÃO DEU MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O CASO.

Segundo informações do Blog do Jorge Amorim, Murilo foi localizado num hospital para submeter a uma cirurgia. Ele teria sofrido um acidente, mas não deu detalhes
Jussara Novaes (Sudoeste Digital) - (...) Gente esse rapaz foi trabalhar no Espírito Santo. Chegou lá teve um surto e o patrão mandou ele vir embora. Desde domingo ainda não retornou para casa. Ajude -nos a divulgar. Ele é de Barra Nova, o nome dele é Murilo Lima.(...) 

É com esse apelo dramático e emocionado nas redes sociais que parentes e amigos buscam por notícias que levem a Murilo Lima, 25 anos, o rapaz da foto que teria abandonado o emprego e demitido de uma fazenda de café, no Espírito Santo, após um surto psicótico. 

Segundo uma pessoa de Barra Nova, que se identificou como prima dele, o rapaz deixou o distrito para trabalhar numa lavoura cafeeira em Linhares, litoral norte do Espírito Santo. 

A princípio os empregadores afirmaram desconhecer o paradeiro de Murilo, sustentando apenas que ele disse estar retornando para casa, em Barra Nova, distrito de Barra do Choça, município do sudoeste da Bahia, a 540 km de Salvador. 

A família descobriu, no entanto, que Murilo chegou à fazenda no sábado (12) e, no dia seguinte, teve uma crise psicótica, ficando agressivo com os demais trabalhadores e moradores da fazenda.

A polícia foi acionada pelo gerente que, em companhia de policiais, conduziu Murilo até a rodoviária da cidade e forneceu passagem para o retorno à Barra do Choça. A partir deste momento não se teve mais notícias. Familiares buscaram pistas na rodoviária, mas sem sucesso.

Conheça os principais sintomas de um surto psicótico

Alterações repentinas de comportamento, alucinações, delírios e reações desproporcionais à realidade são os principais sintomas de um surto psicótico — um episódio de dissociação psíquica no qual a pessoa perde a noção da realidade e se torna incapaz de pensar racionalmente.

Durante um surto psicótico ocorre um aumento de atividade no sistema límbico (área do cérebro responsável pelas emoções e pelo prazer), fazendo com que as percepções fiquem alteradas e os pensamentos se desorganizem.

O que pode causar um surto psicótico
Um surto psicótico pode ser um sintoma de uma doença maior ou apenas um episódio isolado, conhecido como episódio psicótico breve. As doenças psiquiátricas que podem levar a quadros de surto psicótico são: Esquizofrenia, Transtorno Bipolar, Mal de Alzheimer, Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e distúrbios de personalidade.

Dentre as causas médicas existem alguns quadros que podem induzir o surto psicótico. São eles: presença de tumores cerebrais, esclerose múltipla, epilepsia, doença de Alzheimer, lúpus, insuficiência renal, insuficiência hepática, AIDS e sífilis. O uso patológico de álcool e drogas alucinógenas também pode desencadear um surto psicótico.

Em todos os casos, alterações no cérebro fazem com que os neurônios da região límbica fiquem hiperativos, desorganizando os pensamentos e alterando a percepção das coisas.

Principais sintomas de um surto psicótico
- Delírios e alucinações (ideias de perseguição, escuta de vozes, visões irreais);

- Perda de contato com a realidade;

- Confusão mental, pensamentos desorganizados;

- Falar de forma desorganizada, rápido demais ou com frases incoerentes;

- Comportamento agitado, incoerente, agressivo ou catatônico;

- Oscilação de humor entre depressão e euforia;

- Agressividade;

- Insônia;

- Perda de apetite e consequente perda de peso.

O que fazer com uma pessoa em surto psicótico?

O ideal é que a pessoa que apresenta um surto psicótico seja encaminhada imediatamente a um hospital para receber medicação e cuidados adequados. Depois de o surto ser controlado, é importante que o psiquiatra faça um diagnóstico do paciente e determine se a psicose foi um episódio breve ou se está associada a outra doença.

Durante o surto tenha sempre uma postura neutra e jamais confronte a pessoa. Não questione os delírios e alucinações, preferindo ser compreensível. Enquanto espera auxílio médico, afaste a pessoa de objetos perigosos como facas e armas. Caso a pessoa já esteja em tratamento, faça contato com o médico responsável por ela e obtenha instruções imediatas.

Em casos graves, internação psiquiátrica é necessária para investigação e realização de intervenções apropriadas. Casos mais leves podem ser atendidos em ambulatórios e não necessitam internação. É importante que a pessoa receba ajuda o quanto antes, pois podem tomar decisões precipitadas e equivocadas durante o surto, inclusive resultando em suicídio. (Fonte: SBie - Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional)

PUBLICIDADE