ARTIGO - A moral como inimiga (Padre Carlos Roberto Pereira)

Resultado de imagem para artigo
Uma questão que chama atenção dos cientistas políticos nos últimos tempos é como trabalhar no campo político sem desprezar a ética e a moral.

Por melhor que seja a moral, ela jamais será compatível com a pureza do político honesto que idealizamos em nossos sonhos.

Tudo isto nos remete a grade questão: O que é “honestidade”? Ela é comumente compreendida nos dias atuais, em sua vinculação com a veracidade da palavra, com o senso de justiça e o cumprimento das leis.

É justiça legislar para uma minoria, enquanto a maioria da população fica a margem das políticas públicas?  Explico: não basta o cumprimento das leis para garantir a correta aplicação dos recursos, já que é possível furtar dinheiro público legalmente.

A serviço dos ladrões do erário encontram-se dispositivos legais como a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar no. 101, de 4 de maio de 2.000), que torna o pagamento à bancos prioritários em relação ao investimento em educação e saúde, por exemplo.

Assim, muitos políticos, que apoiaram o golpe e financiam o ódio contra Lula e o PT, podem posar de honestos, simplesmente porque drenam milhões e milhões em verbas públicas para suas empresas privadas, mas o fazem de modo “legal”.

Uma abordagem filosófica da atual situação política, só seria capaz através das leituras das seguintes obras: O Príncipe de Maquiavel e As mãos sujas de Sartre. Para vocês introduzirem estas leitras, não poderia deixar de citar Max Weber, para entender a ética do cientista, que é a verdade, e a ética do político, que é a ética das consequências dos atos.

Não se faz política sem alianças e não se governa sem uma coalizão. Este é o manual da democracia burguesa. Neste jogo tem regras claras e quem não souber joga-las, não governa. Maquiavel nunca disse que o fim justificava os meios, esta frase foi atribuída a ele, por seus adversários ligado a Igreja.

Há um momento na política, que é necessário fazer um cálculo entre custo benefício, para atingir nossos objetivos, é necessário fazer alguns sacrifícios e isto esta relacionada a fazer uma maioria dentro de um Congresso como o nosso.

Durante a segunda guerra, os aliados tiveram que fazer alguns acordos com a mafia, para consolidar algumas posições dentro do terreno do inimigo. A grande questão desta abordagem é saber o que é pior, em nome da ética e das mãos limpas, não vamos sujar a nossa imagem? Vamos deixar a Europa ser sucumbida ao Nazi-fascismo ou fazer uma aliança com a Mafia, para acabar com o sofrimento de mihlões de pessoas?

Os paladinos da justiça querem combater a corrupção, mais não querem perder o auxílio moradia, mesmo tendo residência fixa. Querem combater a farra com dinheiro público, mais não abrem mão da mordomia do judiciário. A esquerda está com as mãos sujas por causa de um projeto político, enquanto a direita suja as mãos para se beneficiar.

Não podemos aceitar a corrupção nem defende-la, porém, jamais aceitaremos a volta do chicote nem da senzala. Minha ética é que todos tenham vida.

Pe. Carlos Roberto Pereira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments