DIA D EM CONQUISTA - Mais de 41 mil alunos sem aulas e ameaça de greve na rede municipal de ensino


Mais de 41 estudantes, entre alunos de escolas de ensino fundamental, médio e crianças em creches da rede municipal de ensino de Vitória da Conquista, a 509 km de Salvador, terão as atividades suspensas nos três turnos, nesta quarta-feira (20).


Incluindo a suspensão de aulas devido à greve dos caminhoneiros e outras paralisações este ano, eles já perderam duas semanas letivas, ainda sem data para reposição.

O motivo desta vez é a paralisação dos profissionais em educação que, em campanha salarial, decidem pela deflagração ou não de greve por tempo indeterminado após mais uma rodada de negociação com a Secretaria Municipal de Educação.

Essa rodada de negociação salarial com o governo está prevista para às 9 horas, no auditório do Memorial Régis Pacheco, na Praça Tancredo Neves.

De acordo com a diretoria do SIMMP, sindicato da categoria, a paralisação é necessária para que a categoria "possa acompanhar as reuniões e pressionar o governo municipal".

São cerca de 2 mil profissionais em educação da Rede Municipal de Ensino de Vitória da Conquista, dos quais 1.791 professores, entre contratados e efetivos, além de monitores e diretores de escola.

"A paralisação desta quarta-feira requer grande apoio e mobilização da base. Os profissionais da educação jamais aceitarão o Reajuste Zero", acentua o sindicato, em nota à imprensa. "Quem faz educação merece respeito, seguiremos unidos pela valorização profissional", finaliza o SIMMP, em nota.


O QUE QUEREM OS PROFESSORES

Com o mote "Reajuste Zero, Não!", em campanha salarial, os professores da rede municipal de ensino lançaram uma ofensiva nas ruas, feiras-livres e até na Câmara de Vereadores de Conquista para denunciar o descumprimento do piso salarial e desvalorização da categoria.

De acordo com o Sindicato do Magistério Municipal Público (SIMMP), o governo municipal ameaça direitos, como destruição do plano de carreira dos professores, achatamento da tabela dos profissionais da educação e não criação do plano de carreira dos monitores escolares.

Em meio a discursos dos vereadores, na sessão ordinária da última sexta-feira (15), os professores distribuíram panfletos denunciando, ainda, a não observância de ganhos reais ao servidores públicos municipais, contratação de assessorias por valores "exorbitantes", aumento no número de secretarias, terceirização de serviços essenciais e gastos mensais de mais de um milhão em cargo comissionados.

O vice-presidente do SIMMP, Davino do Nascimento Silva (foto), fez uso da tribuna livre para reivindicar o reajuste salarial da classe para o ano de 2018. Ele afirmou que a categoria enviou o documento apresentando sua proposta em março, e até o momento o governo municipal não iniciou as rodadas de negociações.

O sindicalista comunicou que irá pedir um estudo dos gastos da prefeitura. “Esse governo concedeu reajuste a gastos da prefeitura, aumento para cargos comissionados. Não justifica dar essa assertiva para a categoria dos professores”, disse. “No mesmo ano em que a Câmara teve reajuste, ele (o prefeito) queria dar reajuste zero aos professores”, indignou-se.

A respeito da proposta do sindicato, ele conta que foi enviando a Secretaria de Educação um documento no mês de março, mas no mesmo momento houve mudança de secretário. “ E até agora nada nos foi apresentado”, disse. Ele pede também que o governo apresente os motivos para ter baixado a folha de pagamento no limite de 50%.

Davino afirmou que a educação de Vitória da Conquista vem recebendo um golpe. “Golpe com a falta de transporte de estudantes, golpe com a terceirização da merenda escolar”, disse. “Não podemos aceitar que a merenda, que já foi eleita a terceira melhor do país, seja terceirizada”, comentou.

Em nome do sindicato, ele informou que estão sendo estabelecidas paralisações pontuais para discutir o projeto de educação da cidade. “Para que tenha de fato uma atenção com a educação”, afirmou. Davino solicitou ainda que os vereadores acompanhem as negociações entre o sindicato e a prefeitura.

Os professores da rede municipal suspenderam as atividades e aprovaram um calendário de mobilização. Sem avanço nas negociações com a Secretaria Municipal de Educação, a categoria não descarta greve geral. O Dia D será nesta quarta-feira A Prefeitura não comentou as declarações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments