GREVE NA VITÓRIA - Empresa quebra acordo com o MPT e sindicato anuncia paralisação

Imagem: Ag. Sudoeste Digital
Uma paralisação de advertência, seguida de greve por tempo indeterminado, irá afetar os serviços de transporte público da Viação Vitória caso a empresa não efetua o pagamento dos salários e ticket alimentação dos rodoviários no prazo de 24 horas. É o que promete o sindicato da categoria.


O comunicado foi emitido na tarde desta quarta-feira (13) pelo Sindicato dos Rodoviários de Vitória da Conquista (Sintravc) diante da quebra de acordo da empresa firmado no final de maio com o Ministério Público do Trabalho (MPT).

O prazo dado pelo sindicato vence nessa sexta-feira (15), mas até o momento a a empresa não se manifestou. Já o prazo acordado com o MPT venceu há mais de uma semana, porém somente agora é que foi apresentado indicativo de paralisação e provável greve.

FROTA MÍNIMA

Conforme prevê a legislação, caso ocorra a paralisação a empresa deve manter 30% da frota em circulação para atender os 40 mil usuários que diariamente utilizam os ônibus da Vitória.

Entre o rodoviários da empresa a greve é tida como certa, pois nem mesmo a mediação do MPT, por meio da procuradora Manuella Gedeon, fez com que a direção da Vitória honrasse os compromissos com os seus funcionários. (LEIA ABAIXO)

Não está descartada uma rígida fiscalização na empresa. "Estamos apurando os fatos no tempo devido. E vamos divulgar nota sobre o assunto assim que tivermos informações seguras", informou a assessoria de comunicação do MPT em nota ao Sudoeste Digital, dia 8 deste mês.

ENTENDA O CASO

Em reunião na sede do MPT, que contou com a presença do Sindicato dos Rodoviários e Prefeitura de Conquista, no final de maio, a empresa se comprometeu, em ata, a honrar o pagamento de 40% do adiantamento salarial nessa quarta-feira (5). Sequer deu satisfação aos funcionários.

O percentual, referente a maio, deveria ter sido quitado no último dia 20 do mês passado. Até então, nada feito. O mesmo aconteceu nessa quinta-feira (7), quando, também em acordo no MPT, deveria ter sido efetuado o pagamento do ticket alimentação de maio, igualmente em atraso.

Ficou acordado que o restante dos 60% do salário referente a maio deveria ser pago também nessa quinta, considerando ser este o 5º dia útil subsequente ao mês do salário vencido. A empresa nem pagou, nem se manifestou sobre a quebra de acordo.

No acordo, a procuradora deixou claro que, em caso de descumprimento do acordo por parte da empresa, esta teria que pagar a título de multa uma cesta básica, no valor de R$120,00, a cada um dos trabalhadores prejudicados por item descumprido.

Em contrapartida, o sindicato dos rodoviários se comprometeu a não deflagrar e/ou apoiar paralisações ou greve em caso de a empresa cumprir com o que ficou acordado. Por enquanto não há novo indicativo de greve.

Em nota assinada pelo presidente do Sindicato dos Rodoviários, Álvaro Souza, e enviada ao Sudoeste Digital na última quinta-feira, a entidade, que também participou da reunião no MPT, em 28 de maio, reconhece que a empresa quebrou o acordo e recomenda aos rodoviários que procurem o Sindicato para reclamar os direitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments