SEM AVANÇO - Prefeitura de Conquista propõe reajuste de 2,7% para professores; categoria quer 6,81% e greve se aproxima

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas, mesa e área interna
Não houve avanço nas negociações salariais entre Prefeitura de Conquista e profissionais da educação da rede municipal de ensino, realizada nesta quarta-feira (20).

Em meio ao impasse, com o governo oferecendo 2,7% de reajuste e a categoria alegando que o percentual está abaixo do repasse do Fundeb, de 6,81%, a greve em julho é quase certa, o que irá prejudicar o ano letivo de mais de 41 mil alunos do ensino médio e crianças em creches.


A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, pessoas em pé e área interna
"É válido ressaltar que o valor está muito abaixo do repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que é de 6,81% para 2018, e que já ocorreu desde janeiro", contestou o sindicato.

A próxima rodada de negociações está agendada para terça-feira, dia 26 de junho.

Para que os professores fossem mobilizados e aguardassem o resultado da reunião, o SIMMP, sindicato da categoria, recomendou paralisação nos três turnos.

Enquanto a comissão discutia com os representantes da Prefeitura, no memoria Régis Pacheco, um grupo ocupou os corredores da Prefeitura e realizou apitaço. São cerca de 1.700 professores que trabalham em 184 escolas municipais e 28 creches em Conquista.

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas em péEm conversa com a comissão do SIMMP, o secretário de Administração, Jonas Sala, declarou que "os tempos mudaram e as perspectivas desse ano são diferentes das que aconteceram em 2017". Seguindo essa linha e justificando o percentual exposto em função da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o governo municipal apresentou a proposta de reajuste de 2,7% para os profissionais da educação, baseando-se na inflação no país.

Além do reajuste, foi apresentado na mesa de negociação, o aumento de 5% no vale alimentação dos servidores municipais, sendo 12,50 reais para os trabalhadores com 40 horas de serviço e 6,25 reais para 20 horas, propondo que esse valor seja incidido somente a partir do mês de agosto.

Além disso, acordou-se a criação de comissão para que seja discutida a questão da carreira dos profissionais da educação no que se refere à reestruturação do plano de carreira dos professores e a construção do plano de carreira dos monitores. Essa comissão tripartite será composta por representantes da categoria, governo municipal e Câmara de Vereadores.

A presidente do SIMMP, Ana Cristina Novais, afirma que, um repasse salarial abaixo do valor que é proposto e garantido através do Fundeb é uma tentativa de quebra da tabela do profissional da educação.
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas em pé
Imagens: SIMMP/Divulgação
“Essa recomposição de 2,7% não atende a categoria, sendo um desmonte de carreira do profissional da educação. Nós reivindicamos o repasse do Fundeb mais o ganho real, principalmente porque nossa tabela não atende mais às expectativas de formação da categoria, composta por apenas dois níveis”, enfatizou a presidente. 

Durante a negociação, o SIMMP solicitou a divulgação da folha analítica da educação, a previsão de cortes de gastos, que tem a finalidade de enxugar a máquina pública, possibilitando desse modo, a valorização dos servidores municipais, e a revisão da proposta do CET dos monitores escolares.
Ana Cristina afirma que a base não aceitará o reajuste proposto.

“Esperamos que o governo repense sua forma de investimentos e de gastos, de maneira a atender a categoria e proporcionar um reajuste que contemple nossas necessidades, ou no mínimo, respeite o repasse do Fundeb”, afirmou.

Para a secretária geral, Ruth Trindade, o momento é a discussão de reajuste, mas este não é o único anseio da categoria. “Essas mesas de negociação deverão ser contínuas e permanentes, e é nessa política educacional que, ao iniciarmos as discussões dos aspectos pedagógicos, que esperamos também respostas concisas do governo. O que está sendo feito para melhorar a qualidade da educação? Não nos prenderemos a apenas uma pauta, mas discutiremos todos as reivindicações necessárias”, completou.

A Campanha Salarial continua em curso, mesmo durante o recesso dos profissionais da educação, onde o SIMMP almeja a revisão dos gastos e a garantia de um reajuste maior que o apresentado. A categoria não descarta a possibilidade de deflagração da greve, que poderá ser definida após o recesso escolar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments