Comunicado Toyota Diamantina

A IRMÃ GÊMEA DA MENTIRA – Áudios resgatados na internet mostram contradições em falas de Herzem Gusmão em suposta defesa dos professores municipais; promessas de campanha caíram por terra

Costumam afirmar que a imprensa tem memória curta, mas em tempos de redes sociais ativas e grupos vigilantes de troca de mensagens, dificilmente essa velha máxima sobreviverá.

O resgate de promessas de campanha para confrontar com as práticas políticas atuais, por exemplo, é uma prova viva disso.


A mais recente são áudios recuperados, onde o então candidato a prefeito, Herzem Gusmão (MDB), dispara a sua voraz “metralhadora vocal” contra o que considerava desrespeito aos professores pela gestão Guilherme Menezes (PT).

Nas falas, que abaixo reproduzimos integralmente para dar sustentabilidade a esse texto, Herzem não poupava criticas à gestão “inimiga”, advogando aos microfones em favor dos professores.

             

Não se pensava em Deus. O foco era o poder. A todo custo, nem que fosse preciso vender a alma ao diabo, como se diz por aí. Os áudios são da campanha para prefeito, mas se tornaram atuais e fieis ao atual momento Vale a pena escutar.

            
Mal sabiam os profissionais da educação que um dia amargariam, na prática, e com Herzem prefeito, o que antes era ferozmente combatido.

Nada como o tempo para mostrar que a verdade sempre triunfa sobre a mentira, a irmã gêmea da promessa.

E ele, tempo, chegou implacável justamente quando a atual gestão experimenta uma justificada e legítima greve dos professores em favor da manutenção do Plano de Carreira e na defesa de direitos adquiridos em lei.

Agora se invoca o nome de Deus em vão: “Pelo amor de Deus, professores, não façam greve”, volta a repetir aos quatro ventos, como se o divino fosse mais um dos seus inúmeros nomeados na farra das terceirizações.

Para quem colocava o professor no pedestal, como valioso troféu de campanha, oferecer agora 2,7% de reajuste à categoria soa algo próximo semelhante a uma apropriação indébita.
 
             

O valor proposto está muito abaixo do repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que é de 6,81%. Para onde vão os 4,11%?

Sem acordo, desde março deste ano, a greve tornou-se inevitável. A partir desse sábado (21), mais de 43 mil estudantes sem atividades letivas; mais de dois mil professores fora das salas de aula e 184 escolas e 28 creches fechadas em Conquista. Está mudando? Sim, infelizmente para pior.

- Celino Souza, jornalista

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments