DIAS DE LUTA – Sem recuar, professores chegam ao 10º de greve em meio a ameaças de retaliação

Uma assembleia na Câmara Municipal, nesta segunda-feira (30), abriu a semana de mobilização dos profissionais da educação, em greve há 10 dias. Reportagens em texto e vídeo.

Mais uma vez o plenário esteve lotado, os profissionais se revezaram ao microfone nos discursos sobre os rumos do movimento e contra as ameaças de retaliação por parte do governo municipal.

A presidente do SIMMP, sindicato da categoria, Ana Cristina Novais, sustentou a posição dos profissionais em não recuar diante das ameaças de corte de ponto e na busca das conquistas. “A greve continua, estamos firmes na luta, a categoria está unida no propósito e nós não vamos permitir que a nossa tabela salarial seja quebrada”, afirmou.

A reportagem é de Carol Ferraz

           

Esta é a segunda greve enfrentada pela atual gestão municipal. Na anterior, em 2017, com duração de 23 dias letivos, os profissionais retornaram às atividades após o governo fechar acordo em 7,64%.
Considerando o primeiro quadrimestre deste ano, a o município arrecadou mais de R$216 milhões, uma média mensal superior a R$54 milhões. "Com base nessa média em relação à projeção para 2018 a arrecadação será de mais de R$650 milhões, representando aumento estimado em 11%".

O sindicato informou que, apesar da arrecadação da Prefeitura em 2017 ter aumentado apenas 0,96%, “os professores conquistaram com greve histórica, um reajuste de 7,64%””, ou seja, “a Prefeitura foi obrigada pela categoria a repassar o reajuste do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)".

Em apresentação aos profissionais da educação, o SIMMP informou que, se for levado em conta a composição aumento do piso mais arrecadação da Prefeitura, o governo deveria oferecer reajuste de 6,81% do Fundeb, mais 2,7%  de inflação. A Prefeitura ofereceu proposta de reajuste salarial de apenas 2,7%. O percentual está abaixo do repasse do Fundeb, que é de 6,81%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments