OPINIÃO - Viação Vitória é irrecuperável e o que se pretende é instalar o caos no transporte público



Jussara Novaes *- Não há recuperação judicial sem a combinação de vários fatores. Menos que isto são tramas e artimanhas que, cedo ou tarde, Vitória da Conquista descobrirá. Tomara que não seja  da pior maneira, já que transporte público não é uma ciência fácil e muito menos barata para se brincar de montar e desmontar com alguns poucos "vinténs".


Então, vejamos quais e como seriam estes ingredientes que entrando em combinação lançariam as bases sólidas para fundamentar a recuperação judicial  ou salvação  da Viação Vitória:

A -  Injeção de capital. E este deve ser milionário e terá que vir de fora, porque a tarifa não produziria os  efeitos suficientes e isolados. Só se for um "caminhão de dinheiro" por parte dos sócios da empresa ou por financiamentos bancários;

B - Combinação de redução drástica de custos, pois no caso do transporte público tudo está atrelado à figura do ônibus. O exemplo que damos é apenas um, dos mais danosos: retira-se o veículo de circulação, aí se reduz o consumo de óleo diesel e demite-se oito funcionários, em média, para cada ônibus; 

C - Elevação da receita da empresa. Nesse caso, somente o prefeito tem a caneta para tanto. Ele é "dono da tarifa", mas não está confortável para dar o aumento às vésperas de eleições, além da aguda impopularidade;

D - Combate aos mais de 600 clandestinos, entre vans e automóveis e vans. Mais uma vez, isso somente o prefeito pode fazer, porque não depende das empresas. Outro contratempo: ele não quer encarar os vanzeiros. Tentou e viu os “anjinhos” que criou.

Então, caro leitor, fica claro que a situação não é simples como o prefeito tenta passar. Por exemplo: ao dizer nas rádios e blogs  que  a Prefeitura não pode “queimar as etapas” do processo de caducidade ou da recuperação judicial da Viação Vitória (isto tudo tem um propósito, que mais à frente será revelado).  Nesse ponto parece que o prefeito, outra vez, subestima a inteligência dos conquistenses e da imprensa, que tem o sagrado dever de alertar a população.

Na cadeia de custos em concessão pública de transporte público você só salvará ou matará uma empresa de ônibus por meio destas variáveis:

A - Receita por km;
B - Custo por km. 

A receita depende do prefeito e do número de passageiros circulando nos ônibus. E é aqui o ponto central da questão reveladora de que o prefeito decidiu falir o sistema de transporte público por completo. Pela linha em que ele vem atuando nestas duas variáveis ao mesmo tempo. Vejam:

1 - Não renovando a tarifa, congelada há mais de 16 meses.
2 - Fomentando a contravenção por meio do transporte clandestino (vans e automóveis);

A combinação destas variáveis, ditam e revelam que é falsa a aura de bom moço ou  de gestor público que o prefeito Herzem Gusmão tenta passar,  sugerindo que está tentando modernizar o sistema. Os fatos por si só demonstram a ausência total da lógica operacional, econômica financeira, jurídica e de gestão pública. Foge até da lógica em que os próprios vanzeiros notaram. 

A falsa aura de que está tentando fazer pela Viação Vitória ou pelos vanzeiros, o que o PT não fez, não passa de total engodo. Viação Vitória e vanzeiros  não passam de entidades que cumprem alguma função que, mais à frente, estes “entes” e a própria  Vitória da Conquista também saberão. Nada como o tempo!

Então, a soma dos fatos e do que o prefeito apregoa nos dão pistas que há planos muitos além do que é visível ao cidadão comum. Em curso estão desejos acima dos de quem necessita do transporte público.

Retornemos ao raciocínio e à lógica que a Viação Vitória é irrecuperável. 

Se recuperar a empresa depende muito além do "caminhão de dinheiro" vindo de fora, sobretudo da revisão de custos e receita, fácil perceber a cortina de fumaça. Novos sócios não viriam e bancos não emprestariam recursos, vistos as demandas judiciais, bancárias e federais que a empresa enfrenta, fora o que a empresa Viação Vitória deve ao município: algo em torno de R$30,5 milhões. 

A margem de gestão das empresas na redução de custos é estreita, porque tudo irá colidir com os desejos e interesses dos  passageiros: mais horários, mais linhas e novos ônibus.

Senão, vejamos. Os maiores custos contidos no pacote de sobrevivência ou não das empresas de ônibus estão a folha de pagamento dos funcionários e, em segundo lugar, a tremenda conta de óleo diesel (que motivou a greve dos caminhoneiros, lembram?). Para levar a efeito a redução destas duas variáveis implicaria tirar ônibus de circulação, para isto significaria reduzir viagens ou "matar" ou extinguir linhas. Não há mágica. O espaço é estreito para se manobrar.

E entenda-se: recuperação judicial é exatamente isto : aumento de receitas, redução de custos e atuar nos três (Ps):

1 - Processos, 
2 - Pessoas
3 - Produções (serviços). 

Então, a Viação Vitória é irrecuperável e, em breve, o sistema de transporte público também invariavelmente será.

A prova cabal de que a Viação Vitória é irrecuperável está nos recorrentes atrasos salariais dos trabalhadores. Como uma empresa, amparada pela lei de recuperação judicial, não consegue garantir direitos sociais e sequer pagar os salários? Saiba que estando a empresa em recuperação ela fica desobrigada a pagar uma série de coisas.

Queremos crer que a Viação Vitória não atrase os salários por que simplesmente queira, e sim porque o prefeito possui outros planos e vem desajustando o sistema.

Finalizando, que as autoridades - em todas os níveis, a população e a imprensa se perguntem:

- POR QUE ESSE INTERESSE EM FALIR O SISTEMA PARA ENTÃO LICITA-LO? 

O prefeito, por algumas vezes, já produziu pistas para mais esta "charada".  Ele chega a citar nomes das possíveis e novas empresas. Vamos aguardar os próximos e, tomara que não, sombrios capítulos desta novela assustadora para a população de Vitória da Conquista.

* Jussara Novaes é jornalista e Repórter Especial do Sudoeste Digital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments