Comunicado Toyota Diamantina

EDITORIAL - Calote no transporte público

Resultado de imagem para funcionarios da vitória
Funcionários da Viação Vitória emprestaram dinheiro à própria empresa confiando no AVALISTA.
E agora? A DÍVIDA É MILIONÁRIA. Leia o nosso editorial e entenda como se deu esse calote.


O que acontece quando o DEVEDOR e AVALISTA se “desentendem” na presença dos CREDORES (funcionários) se vendo entre tapas e graves acusações?

No afã dos fatos e versões temos de um lado a empresa (devedora) que diz:

“Devo, não nego, mas só posso pagar R$500,00”

Enquanto do outro, o AVALISTA tentando sair “à francesa”, se esgueirando e distraindo os 517 sofridos e credores funcionários, dizendo-se igualmente traído, levando-os de um lado a outro, por dias a fio com vãs e teatrais promessas.

Sutilmente o avalista, em vão, vem tentando transferir sua única e exclusiva responsabilidade sindical, de guardião dos direitos dos trabalhadores. Ora Álvaro Souza, do Sindicato dos Rodoviários (Sintravc), atribui a culpa ao prefeito Herzem Gusmão (MDB), ora ao Legislativo e até ao finado e seu antecessor Carlos Fernandes (imagem ao lado). Talvez porque mortos não possam se defender.


ENTENDA O CALOTE 
Desonestidade intelectual

Restrito aos limites internos dos muros da Viação Vitória tudo se desenvolvia silencioso e aparentemente sob controle, em especial quando avalizado pelo Sindicado dos Rodoviários. Até que o trágico extravasou, fazendo Vitória da Conquista conhecer, estarrecida, a tragédia SOCIAL E ECONÔMICA das centenas de famílias e funcionários que, acuados, passam dificuldades até para se alimentar e pagar despesas triviais.

Segundo o réu confesso e avalista Alvaro Souza, há muito a Viação Vitória vinha submetendo seus funcionários a trabalho escravo, ferindo a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), de capa a capa.

Enganados com a falsa sensação de que tudo estava sob o controle, os funcionários da Viação Vitória  não se deram conta do trágico que estava por vir. As aparências que o presidente do sindicato fazia questão de passar, fosse de sua influência no gabinete do prefeito e até de alguns parlamentares do Legislativo, vitimizou os funcionários.

A imagem que Álvaro passava de bom moço sugeria confiança incondicional, semelhante ao desastre que foi o consórcio “morte súbita”, de um médico baiano e do odiado público, Jair Lagoa.

Semelhantes mecanismos estiveram em ação reproduzindo os efeitos “entorpecentes de massa”. Neste caso, os funcionários. Sofismas matemáticos foram criados de modo que fizessem os funcionários baixassem a guarda, deixando de reivindicar seus direitos e que esses não se acumulassem: fossem férias, 1/3 de férias, horas extras, INSS.

Ao ponto de administrarem como se fosse medicamentos em doses progressivas de dias, semanas e meses de atrasos dos salários.

Ente atos públicos na forma elogiar a Viação Vitória (embora Alvaro diga que a empresa desde 2011 já aprontava), ele não se economizou em validar a empresa. Até círculos e sessões de orações dentro da empresa o presidente Álvaro se dava em corrente com o diretor Cláudio Andrade (imagens abaixo).







                     Como haveria cobradores e motoristas 
                     imaginar o trágico que viria?

Álvaro Souza foi capaz de construir e estimular o sofisma matemático que desse a falsa sensação de que os funcionários da Viação Vitória obtinham salários maiores que os rigorosamente e comprovadamente pagos em dia pela Viação Cidade Verde.

Como no conto da famosa anedota:

O sujeito vende um carro ao amigo, bem mais caro que valor de mercado. Mas sujeito não paga o veículo. Dá calote. O que vendeu conta vantagem: - "ELE PODE NÃO TER PAGO O CARRO, MAS EU ENFIEI A FACA NELE", gaba-se o enganado. 

Assim tem sido o engodo a que muitos funcionários na Viação Vitória, “enfeitiçados”, ainda se gabam. A lamentável situação se tornou alvo até mesmo do anedotário local.

CHARGES TOMAM CONTA DA INTERNET



Restou apurado com fontes fidedignas que a Viação Vitória deve em média para cada motorista cerca de R$6 mil, e para cada cobrador, R$3 mil, fora os direitos acima relacionados. 

A empresa fez uma proposta de pagar para cada um deles R$500 por semana. Pasmem! 

Por que o presidente do sindicato não denunciou tudo isto há muito tempo? Quantas vezes Álvaro foi à Câmara dos Vereadores fazer essas denúncias?

Sem contar que a Viação Vitória deve mais de R$ 1 milhão ao próprio sindicato e Álvaro represou estas infrações.

Avalista ou não?

Álvaro fechou os olhos para todas as probabilidades do calote. E continua impondo aos funcionários uma espécie de “cegueira cognitiva”. E a manipulação continua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments