ENCARCERAMENTO FEMININO - Defensora pública defende comissão para inspeção em Conquista


Jussara Novaes (Sudoeste Digital) - Ainda repercute a audiência pública sobre o “Encarceramento feminino e a situação do sistema penitenciário conquistense”, realizada nessa segunda-feira (13) na Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC).


Dentre os pronunciamentos, um dos destaques foi o da defensora pública, Kaliane Gonçalves, que enfatizou o descumprimento à lei no Presídio Nilton Gonçalves, assinalando que "o  princípio da individualização da pena é desrespeitado" quando pessoas em prisão provisória, em regime semiaberto e em regime fechado ficam presas em um mesmo ambiente.

“Eu devo colocá-las em ambientes isolados. Não é o que acontece no Nilton Gonçalves. Num único módulo, o Módulo 3, tem presas provisórias e presas sentenciadas, cujo regime de pena é o fechado ou o semiaberto. É extremamente vedado por lei, tal condição”, revelou a defensora pública, que defende a criação de uma comissão para inspeção.

De acordo com os números apresentados pela defensora Kaliane Gonçalves, atualmente o presídio Nilton Gonçalves conta com 50 internas, sendo que 29 delas aguardam sentença, podendo, inclusive, serem absolvidas, 14 cumprem pena no regime semiaberto e 7 em regime fechado.

Gonçalves destacou ainda que o objetivo da pena de reclusão é a integração social do apenado e não apenas a punição de quem cometeu algum crime. “Em regra, qualquer pessoa que esteja hoje dentro de um estabelecimento prisional, o objetivo principal é a integração social”, frisou.

Citado pelas autoridades presentes ao evento, como advogados e juiz, como uma das pessoas que mais lutaram pela implantação do conjunto penal de Vitória da Conquista, com serviços prestados por anos ao Conselho Penal, Marcos Rocha (imagem acima) afirmou que a interdição da carceragem do Disep, ocorrida em 2010, foi o ápice de uma grave crise.

Segundo ele, até menores eram apreendidos no espaço. Em 2013, o presídio Nilton Gonçalves também foi interditado. "Com a construção do novo presídio, a luta agora é a implantação de presídio feminino", defendeu.

Rocha lembrou que foram nove anos de luta para trazer o Conjunto Penal para Conquista. "O novo presídio carece de profissionais com currículo para trabalhar no sistema prisional. A empresa privada que faz a gestão do conjunto emprega pessoas despreparadas, o que vem ocasionando problemas", finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments