LIVRE - Tribunal do Júri inocenta assassino de "Léo gordo"; decisão causa revolta em Itapetinga e MP vai recorrer


O corpo de jurados do Tribunal do Júri em Itapetinga, a 560 km de Salvador, absolveu nessa quarta-feira (15) o réu Lucas José Lacerda de Santana, 26 anos, assassino confesso do empresário Léo Barros, o "Léo gordo", há oito anos.



Lucas assumiu que havia matado Léo a tiros após um desentendimento entre os dois. Léo foi morto com dois tiros, um na cabeça e o outro pelas costas.
Imagem Itapetinga Agora
A decisão foi apertada, com quatro votos a favor da absolvição e três pedindo a condenação. Com isso, o assassino saiu livre pela porta da frente, inocentado pela acusação de homicídio. De acordo com o Blog Itapetinga Agora, a absolvição de Lucas causou revolta na população de Itapetinga.
O Ministério Publico afirmou que irá recorrer da decisão.

ENTENDA O CASO


Lucas José Lacerda de Santana, de 26 anos, (imagem acima) sentou-se no banco dos réus, nessa quarta-feira (15), depois de três adiamentos do seu julgamento. A sessão teve início às 8 horas, no Fórum Desembargador José Alfredo Neves da Rocha, em Itapetinga.

Ele é apontado como autor do assassinato do empresário Leandro Ferreira Barros (imagem abaixo), há há sete anos. A justificativa do adiamento do júri se deu ao fato de o advogado de defesa realizar, na mesma data, duas sustentações orais no Tribunal de Justiça, em Salvador.

Como já havia sido previamente intimado para o ato na capital baiana, pediu o adiamento.

‘Léo Gordo’, como era conhecido, foi morto com dois tiros e teve o corpo encontrado em uma estrada de terra, próximo ao bairro Recanto da Colina. O crime ocorreu em 25 de julho de 2011.

                   

O corpo foi encontrado no banco do motorista de um carro de passeio, em uma estrada que dá acesso à fazenda de Dona Naná. Os tiros acertaram a cabeça e as costas da vítima, que tinha 29 anos. Logo depois do homicídio, Lucas, acompanhado por advogados, se apresentou á polícia.

No interrogatório, o acusado confessou que matou a vítima após um desentendimento. Disse que o empresário lhe ameaçou com uma arma de fogo para manter relações sexuais com ele.

“Consegui segurar a arma de Léo e, quando lutava com ele, a arma disparou na direção de sua cabeça. Léo caiu sobre o banco e eu saí do carro, passando em frente do veículo, me dirigindo até o lado do motorista, onde ele estava caído. Nesse momento, fiz um disparo na direção das suas costas”, disse. 

O acusado foi liberado do Complexo Policial, mas a Polícia Civil pediu a prisão preventiva. Dezessete dias após se apresentar na delegacia, o homem acabou preso no município de Porto Seguro. Lucas ficou nove meses detido. No entanto, um habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça da Bahia o colocou em liberdade.

Lucas José responde ao processo em liberdade desde o mês de janeiro de 2012, sendo que ele ficou preso por cerca de seis meses, até que o Tribunal de Justiça da Bahia acatou recurso da defesa que entrou com Habeas Corpus. O júri popular foi adiado por três vezes por motivos justificados desde 2014, mas de acordo com o tribunal do Júri, estará acontecendo nesta quarta-feira, 15/08, a partir das 08:00hs da manhã, no Salão do Tribunal do Júri no fórum local.

De um lado, familiares do réu que esperavam um resultado favorável, tendo em vista que o autor encontra-se em liberdade. Do outro, familiares e amigos da vítima que há sete anos clamam e esperam por justiça. Na época do crime, o autor alegou legítima defesa.

Essa foi a terceira vez que o julgamento do caso foi marcado. A cidade ficou dois anos sem juiz titular. Lucas José Lacerda de Santana foi indiciado pela Polícia Civil por homicídio qualificado. A pena máxima para quem comete esse tipo de crime é de 30 anos de prisão, mínima 12 anos.

RECONSTITUIÇÃO:

Na época, após ouvir a versão de Lucas, o delegado Roberto Júnior solicitou ao DPT de Itapetinga a perícia de Reprodução Simulada dos Fatos (reconstituição). Os delegados Marcus Vinicius, então coordenador, Roberto Júnior, delegado titular, o promotor de Justiça, José Junseira Almeida de Oliveira, investigadores, escrivães, agentes públicos, a equipe do DPT, guardas municipais e agentes da Comutran se dirigiram ao local onde ocorreu o crime. Lá, o homicida contou passo a passo tudo o que ocorreu: (Com informações de Itapetinga na Mídia)

Imagens Itapetinga na Mídia


A imagem pode conter: 1 pessoa
Imagem da vítima, Léo Gordo, que foi assassinado há sete anos.
Imagem Reprodução
SOBRE O TRIBUNAL DO JÚRI

O Tribunal do Júri é uma das formas mais democráticas de julgar alguém. Sete pessoas comuns na sociedade, devidamente inscritas e sorteadas, devem decidir pela condenação ou absolvição do réu. Esse tipo de julgamento só é permitido pela Constituição Brasileira para os crimes dolosos contra a vida. Ao todo são 4 delitos: homicídio, infanticídio, indução ou auxílio ao suicídio e aborto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments