NOVOS RUMOS, NOVOS NOMES - Operação da PF pode ter novos rumos; novos nomes devem surgir ao longo das investigações



A Polícia Federal vai dar prosseguimento às investigações da Operação Condottieri, que alcançaram, na manhã desta quinta-feira (30), o gabinete 310, do vereador conquistense Rodrigo Moreira, 41 anos (PP), que teve o seu afastamento das funções solicitado pela Justiça.



Outros nomes devem ser alcançados pelos federais, sem descartar supostos envolvimentos dos acuados com lideranças do transporte clandestino de vans e de locais onde ficam os veículos apreendidos em blitz. A PF também esteve recolhendo evidências na residência do parlamentar, na 4ª Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito) e na sede da Prefeitura, nesta para recolher documentos da Zona Azul. VEJA, ABAIXO, NOTA DA PREFEITURA.



De acordo com a PF, as investigações começaram em 2017, para desvendar crimes eleitorais cometidos na campanha de 2016, com a promessa de vagas no presídio de Conquista, supostamente oferecidas por Moreira, que acabou eleito com 1.892 votos. SABE O QUE SIGNIFICA CONDOTTIERI?

Condotiero (em italiano: condottiere; pl. condottieri) era um mercenário que controlava uma milícia, sobre a qual tinha comando ilimitado, e estabelecia contratos com qualquer Estado interessado em seus serviços. O nome condotiero vem de condotta (termo derivado do latim conducere, "conduzir"), que era o contrato estabelecido com um determinado governo.



Apesar de a polícia não divulgar os alvos, o cruzamento de informações de fontes ligadas ao processo com os desdobramentos da operação levaram, até o momento, aos nomes do ex-presidente da Câmara Municipal, Gilzete Moreira (imagem abaixo), pai de Rodrigo e do ex-diretor da 4ª Ciretran, Javan Rodrigues (imagem acima), que renunciou ao cargo este mês, após quatro anos à frente do órgão.

Resultado de imagem para gilzete moreira

A reportagem do Sudoeste Digital procurou os acusados, mas não obteve retorno. Outros nomes são mantidos em sigilo, mas a reportagem continua apurando os relacionados pela PF, que seriam o assessor de um deputado federal, um ex-deputado estadual, membros da empresa que administra o conjunto penal de Conquista, além de sócios da Zona Azul.

VEREADOR DAVID SALOMÃO FEZ DENÚNCIA EM PLENÁRIO E RODRIGO MOREIRA PROMETEU RENUNCIAR CASO O COLEGA PROVESSE AS ACUSAÇÕES. OUÇA O ÁUDIO



Em entrevista coletiva na sede da PF, os delegados da instituição e membros do Ministério Público da Bahia falaram sobre as investigações dos os crimes que envolvem a Prefeitura, Câmara, Conjunto Penal de Vitória da Conquista e o Departamento Estadual de Trânsito da Bahia.

Segundo a PF, todas as medidas cautelares foram cumpridas, mas os pedidos de prisão solicitados foram indeferidos pela Justiça. Foram detectadas, no curso das investigações, a existência de duas empresas fantasmas, sendo uma em Conquista, que emitia notas fiscais frias e outra com sede no
Rio de Janeiro. "Vamos finalizar o inquérito o mais rápido possível", disse o delegado federal, Rodrigo Kolbe.

O grupo vai responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, corrupção ativa, corrupção eleitoral, falsidade ideológica, patrocínio infiel e estelionato.

ÍNTEGRA DA COLETIVA DA PF




Além de solicitar o afastamento do vereador, a Justiça Eleitoral determinou, ainda, o bloqueio de bens e valores de membros da organização criminosa na ordem de aproximadamente R$ 420 mil, em razão do valor potencial do desvio.

O gabinete de Rodrigo permanece fechado desde cedo. Em março deste ano o próprio Javan procurou a imprensa para informar que estava sendo alvo de notícias falsas, ligando o seu nome a um suposto esquema de corrupção na Ciretran.

Nos grupos das redes sociais foi veiculado um print de uma suposta conversa, atribuída com a imagem do então coordenador da 4ª Ciretran, em que o mesmo ofereceria veículos, carteira de habilitação e retirada de multas via Whatsapp. Ele negou e disse ter prestado queina na polícia civil.

Procurada pela reportagem, a Câmara Municipal se manifestou oficialmente por meio de uma nota de esclarecimento. De acordo com o documento, "na manhã dessa quinta-feira (30), em operação, a Polícia Federal (PF) cumpriu ordem judicial prolatada pela Dra. Arlinda Souza, juíza da 41º zona eleitoral, para busca e apreensão de documentos na Câmara Municipal de Vereadores, especificamente no gabinete de um parlamentar".

"Além da busca e apreensão de documentos, o IPL nº 0227/2017-4-DPF/VDC/BA, emitido pela Polícia Federal, dando ciência a esta Casa o afastamento,  provisório, do investigado da função de vereador".

Ainda em nota, o presidente da Câmara, Hermínio Oliveira (PPS), ressaltou que “esta Casa está contribuindo com as investigações e todas as medidas estão sendo tomadas para que seja mantida a integridade da Câmara, de seus funcionários e vereadores. Além disso, estamos cumprindo todas as solicitações da Justiça e, nesse momento, o parlamentar em questão se encontra afastado de suas funções por determinação judicial”. Por fim, ressalta que "as investigações sobre o referido parlamentar foram iniciadas antes dele ter sido empossado vereador."

NOTA OFICIAL DA PREFEITURA

A Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista informa que, na manhã desta quinta-feira (30), a Polícia Federal protocolou uma solicitação de documentos referentes à concorrência pública nº 001/2014, na qual a empresa-consórcio Vitória da Conquista Rotativo (Zona Azul) sagrou-se vencedora, prestando serviços ao município desde a gestão passada. A operação denominada “Condontieri”, realizada pela Polícia Federal em cinco municípios baianos, tem por objetivo investigar os processos relativos a crimes eleitorais cometidos em 2016 por um então candidato, eleito vereador, não tendo assim nenhuma ligação com o Executivo Municipal. A Prefeitura manifesta apoio e colaboração com o trabalho da Polícia Federal e se coloca à disposição caso haja necessidade de alguma informação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments