POLÍCIA - Mulher forja o próprio sequestro e é presa; Policial Civil da Bahia estava entre sequestradores

Resultado de imagem para José Flávio Oliveira da Silva
Uma mulher foi presa suspeita de forjar o próprio sequestro para receber um resgate de R$ 63 mil. Além dela, um policial civil lotado em Juazeiro, no norte da Bahia, também foi preso por envolvimento no crime.


[Mulher forja o próprio sequestro e é presa; Policial Civil da Bahia estava entre sequestradores]

O caso aconteceu em Petrolina (PE), na últma sexta-feira (17). Segundo informações da Polícia Civil, as investigações começaram após a comunicação do suposto sequestro na quinta-feira (16). Homens armados teriam levado Tathiany Suellen Silva Santos e, a partir de então, passaram a exigir da família dela a quantia em dinheiro para liberar a vítima.

Tathiany, então, fez vários contatos telefônicos com o próprio irmão, que pagaria o resgaste. Nas ligações, os sequestradores determinaram que ele fosse até Juazeiro, onde aconteceria a entrega do resgate e a vítima seria libertada.

Entretanto, após o pagamento do resgate e liberação da mulher, os supostos sequestradores foram perseguidos pela polícia, foram abordados e capturados. Presos, eles revelaram o esquema e contaram que o sequestro teria sido forjado por Tathiany. 

A veracidade da versão dos supostos sequestradores foi atestada por meio de mensagens de WhatsApp trocadas todos os envolvidos. Durante a abordagem, o policial civil da Bahia José Flávio Oliveira da Silva, lotado em Juazeiro, foi identificado como um dos envolvidos. Além de Tathiany e José Flávio, foram presos Ayron Maxsuel dos Santos e Israel Alexandre de Barros. 

Foram apreendidos durante a operação uma pistola calibre .40 com quatro carregadores municiados, uma moto e o dinheiro pago como ‘prêmio’ do resgate. Os presos serão encaminhados à audiência de custódia do plantão judiciário de Petrolina, onde ficarão à disposição da Justiça. A operação foi coordenada pelos delegados Daniel Moreira e Gregório Ribeiro, da 214ª Delegacia de Petrolina.

Comments