ARTIGO | Nossa Luta não termina nunca (Padre Carlos)*

Resultado de imagem para votação
Muita gente do campo da esquerda acredita que com o fim das eleições e confirmada à vitória de Haddad nas urnas, estaremos derrotando definitivamente as forças fascistas no Brasil.
Isto não é verdade, esta parcela do eleitorado brasileiro que votou neste projeto, cresceu assustadoramente e tem hoje um grande capital político acumulado, não representa mais só um quinto dos votos que sempre obtiveram no cenário brasileiro.

Desta forma, não podemos cometer o erro de menosprezar esta besta, ela acumulou força suficiente para tentar virar o jogo e transformar este país em uma praça de guerra.

Se isto se concretizar, presenciaremos de forma imediata o reagrupamento de toda a direita, seja ela de centro, liberal ou utar-direita, com dois objetivos: o primeiro seria eleito, para adotar uma agenda neoliberal e o segundo, seria um compromisso explicito de total abandono de Lula e dos crimes cometidos contra a constituição, pelo judiciário.

Se em 2016 ficamos chocados com a participação de setores do judiciário, no golpe que destituiu a presidente Dilma, agora iremos presenciar a chegada de um novo agrupamento político, o partido verde, isto é, “verde oliva”.

A crise na área da segurança pública, os casos de corrupção e o descrédito nos nomes tradicionais da política era de se esperar que militar fosse o perfil da vez para muitos eleitores. Esta forma de participação não fere a constituição nem o estado de direito, o grande problema é quando alguns oficiais esquecem que as Forças Armadas “são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

Como estamos presenciando neste segundo turno das eleições. A falta de respeito pelas instituições principalmente o Supremo Tribunal, faz pensar que armados, esta força desequilibra a balança da justiça e do direito.

Não vamos ser ingênuos a tal ponto de achar que o grande capital financeiro deste país, está aceitando de bom grado que o Partido dos Trabalhadores, retorne ao poder no Brasil. Foi para manter o PT fora do jogo político, que este setor, manteve Lula preso até hoje.

É por isto, que a nossa luta política não termina, ela adquire um novo patamar. Como diz Lula: “Nossa luta é incansável e não termina nunca.” Temos que mobilizar o país com o objetivo de defender nosso programa de governo e garantir a normalidade politica e constitucional. Sem a mobilização nacional e a vigilância das forças democráticas deste país, não conseguiremos governar nem impor a nossa agenda.

Precisamos vencer esta eleição, precisamos vencer o medo que o adversário representa, ao contrario do nosso oponente, nossa luta não é para matar ninguém – é para salva vidas.

(Padre Carlos Roberto Pereira, de Vitória da Conquista, Bahia, escreve semanalmente para esta coluna)

Sudoeste Digital reserva este espaço para seus leitores. Envie sua colaboração para o e-mail: redacao@tvsudoestedigital.com.br, com nome e profissão.
Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do site, sendo de inteira responsabilidade de seus autores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments