EDITORIAL | Tarifa de ônibus pode subir em R$0,22 se os vereadores não aprovarem retirada do imposto que a população paga


Tarifa de ônibus pode subir em R$0,22 se os vereadores não aprovarem retirada do imposto que a população paga. Sim, senhoras e senhores. É exatamente isto que pode acontecer. Vamos aos fatos que podem levar ao que afirmamos na abertura deste editorial.
A prefeitura, de posse da planilha contratual - usada para calcular a tarifa de ônibus, depois de 21 meses em que a passagem estava congelada em Vitória da Conquista - chegou ao valor real de R$4,32, uma tarifa necessária para manter o já combalido sistema de transporte público em vias de falência. Porém, uma tarifa amarga para quem pagaria por ela.

Vários fatores estão envolvidos para que a tarifa ficasse tão elevada e, com isso, a população usuária de ônibus e os eleitores precisam entender.

Entre as ações para segurar o valor baixo da tarifa está o combate à devastadora presença e ação da clandestinidade que retira passageiros do sistema de transporte púbico. São mais de 600 veículos, entre vans e carros de passeio.

Como o passageiro é o determinante na fórmula matemática que calcula a tarifa, com a queda de passageiros os custos, que não diminuem na mesma proporção que os passageiros, resta então dividir esses mesmos custos do sistema por uma quantidade menor de passageiros. Aí é que este rateio de custos impõe um adicional no valor da tarifa aos passageiros que restaram nos ônibus.

Exemplificando:

Imaginemos uma viagem de ônibus do ponto (A) ao ponto (B) custa R$10,00 - valor estipulado para movimentar esse veículo, com os custos de impostos, diesel, pneu e mão-de-obra. Apenas alguns deles.

Agora imagine esse mesmo ônibus com 100 pessoas a bordo. Se pegarmos estes R$10,00 de custo e dividirmos por 100 pessoas dará R$0,10 (dez centavos para cada um dos 100 a bordo).

Como a viagem do ponto (A) ao ponto (B) tem o mesmo custo, seja com dez pessoas ou 100, melhor que haja mais pessoas no sistema para ajudar a pagar a viagem.

Pois bem, duas ações básicas existem para reduzir a passagem e, com isto, privilegiando cerca de 80 mil pessoas ao dia e que utilizam ônibus.

A - livrar a população de pagar 5% da passagem mais cara por conta do ISS (Imposto Sobre Serviço). Poucos sabem, mas quem paga o ISS não é a empresa de ônibus e sim quem paga a passagem. 

Neste caso a empresa é uma mera repassadora de R$0,22 cobrado de cada passageiro que anda nos ônibus.

- combater a clandestinidade conforme recomendado pela promotora de Justiça, Lucimeire Carvalho, do Ministério Público estadual, aliado a decisão do juiz Leonardo Maciel, da 1ª Vara da Fazenda Pública.

Mas parece que alguns vereadores não entenderam esta questão do ISS ou, quem sabe, contam  com a falta de conhecimento por parte da população que anda de ônibus, se estes passageiros estão atentos quanto pagar ou não os R$0,22 centavos a mais para cada passagem.

É certo que não retirando o ISS, que está embutido no valor de cada passagem, quem vai sofrer outra vez será quem menos pode pagar nesta cidade; Ou seja, QUEM ANDA DE ÔNIBUS.

Vamos esperar como o Legislativo irá tratar este assunto e, em breve, iremos relacionar aqueles que foram contra ou a favor de cobrar os R$0,22 de cada passageiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments