FROTA FRETADA | Ônibus, micros e vans devem pagar taxas para entrar na cidade

Para dar sustentação ao que escrevemos, necessário se faz recorrer a uma extraordinária medidas adotada pela Prefeitura de Ubatuba em relação ao transporte fretado ou irregular. O que Vitória da Conquista poderia tirar de aprendizado?
Dois prefeitos com visões diferentes. 

Enquanto Herzem pregava receber vanzeiros com suco e água gelada, o prefeito de Ubatuba torna mais amarga as taxas de entrada de vans, ônibus e micros na cidade. LEIA AQUI A partir dessa segunda-feira (7), em Ubatuba, está sendo cobrada taxa de entrada R$ 3 mil para ônibus, R$ 1,8 mil de micro-ônibus e R$ 1,2 mil de vans.

Os valores são até seis vezes maiores que o valor cobrado até o fim de semana, quando preço variava de R$ 1 mil para ônibus e R$ 200 para vans. Segundo o governo, medida é para regulamentar o número de veículos coletivos nessa modalidade que chegam ao município.

A cobrança da taxa de turismo acontece na cidade desde 2015, quando um decreto da prefeitura criou regras para o estacionamento público na cidade.

Com a regulamentação, todo ônibus, van ou micro-ônibus que entra na cidade já precisava fazer um cadastro na Companhia Municipal de Turismo (Comtur) e pagava uma taxa.

Em Conquista é diferente. Uma verdadeira ocupação ilegal do solo urbano de Vitória da Conquista, terceiro maior município da Bahia (atrás de Salvador e Feira de Santana), tem desagrado comerciantes, principalmente aqueles que têm a fachada do seu comércio tomada pelas "empresas sobre rodas".


O eufemismo é usado para designar veículos de lotação que, à revelia do poder público e demais autoridades - como a própria Agerba, invadem a cidade, vindos de todas as partes da região, sem recolher taxa pelo uso do solo - como é exigido de outros profissionais liberais, como taxistas, ambulantes e barraqueiros, por exemplo.

Sem que haja o estrito cumprimento da lei, para se manter o ordenamento de Vitória da Conquista e administrar o espaço público, como prevê o Código de Polícia Administrativa (Lei nº 695/1993), centenas de veículos - a maioria sem passar por vistoria ou conduzidos por motoristas inabilitas para tal - invadem, desde há muito, o centro comercial, ludibriando o erário, sob a condescendência
da Prefeitura.

Comércios que não são mais vistos ou encontrados por conta de suas fachadas estarem obstruídas por ônibus e vans. Metros quadrados com aluguéis caríssimos se transformado em estacionamentos para toda sorte de transporte irregulares de passageiros.
Eles, donos de ônibus e vans forasteiros, sequer estão matriculados no Cadastro Geral de Contribuintes. E, assim, diante da "cegueira cognitiva", expandam pontos de embarque e desembarque pelos quatro cantos da cidade. Como se já não bastassem a clandestinidade interna, alimentanda por mais de 600 veículos, entre vans e carros de passeio.

Não que este editorial se posicione contra a atividade, mas que ela seja legal e que cumpra cada linha do Código de Posturas. A lei é para todos e é assim que deve ser. Enquanto não se aplica às "empresas sobre rodas" o que preconiza o Código de Posturas, comerciantes que regiamente recolhem seus impostos e arcam com pesados alugueis dos pontos no metro quadrado mais caro da cidade, sequer têm estacionamento assegurado para a sua clientela, além de ter a entrada da loja "escondida" nos pontos de parada.



E qual seria o argumento para se aplicar essas medidas de Ubatuba também em Vitória da Conquista? Primeiro, para ordenar o tão caótico trânsito urbano, fazendo valer o Código de Posturas; segundo, para desafogar os locais de estacionamento rotativo e, assim, não penalizar os comerciantes e evitar demissões em massa pela fuga da clientela.

Terceiro, gerar receita para, em curto espaço, construir locais específicos de embarque e desembarque, sem prejuízo do centro comercial. Por fim, para fazer valer a lei, afinal de contas, ela é para todos e ninguém está acima dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments