Madeireira Sudoeste

Madeireira Sudoeste

TRANSPORTE CLANDESTINO | Quando o barato sai (muito) caro

Resultado de imagem para aplicativo de transporte
O assunto do dia nas redes sociais em Vitória da Conquista foi, sem sombra de dúvidas, o ataque de fúria de um motorista de aplicativo a uma cliente. (SAIBA MAIS).
Resumindo: segundo a vítima, tudo por causa da demora num troco, o que motivou o motorista a partir para agressões e danos materiais, culminando com o vidro da janela da casa da cliente quebrado por ele. O caso foi registrado no Distrito Integrado De Segurança Pública - Disep.

Sem preparo, sem treinamento e ofuscado apenas pelo dinheiro que a atividade possa lhes render, a grande maioria desse ditos profissionais - que na verdade atuam clandestinamente, posto que não há regulamentação do serviço na cidade - tem seus dias de fúria e as vítimas tanto podem ser outros motoristas - que enfrentam o caótico trânsito de Conquista - e mais notadamente o indefeso cliente.

As potenciais vítimas geralmente são mulheres, como a que ilustra a abertura deste texto. Enfim, numa terra sem lei para o transporte público, que é um bem público, a situação parte para situações arriscadas e reconhecidamente perigosas. Oremos para que não chegue ao extremo - embora caminhe para isso, com vítimas fatais de alguma forma.

E qual a lição que aprendemos com essa recente episódio, dentre tantos que sequer chegam ao conhecimento público aqui em Conquista? Que a ação de clandestinos, seja em que esfera for, é um iminente risco à sociedade em geral.

Veículos sem manutenção, condutores sem habilitação legal para conduzir determinado transporte, carros sem manutenção, muitos clonados e/ou com restrição de furto e roubo (vide o próprio estudo técnico da Prefeitura de Conquista) são apenas uma ponta do iceberg, que mais s assemelha a uma bomba-relógio, a poucos minutos de explodir.

Os pífios e desconstruídos argumentos de que é mais viável, mais rápido, mais cômodo e mais prático, se esbarram na realidade desse serviço ilícito, que opera à margem da lei e da ordem. A quem recorrer imediatamente em casos como o reportado, já que quem se aventura ao clandestino torna-se cúmplice dele? No caso, a polícia, a mesma polícia que é criticada quando realiza ações de combate aos clandestinos.

Pode até resolver o problema, indiciando o culpado, mas outros logo surgem e a bola de neve cresce. Não há dinheiro que pague os transtornos, a dor de cabeça de se e os traumas que ficam. Cicatrizes e exposição pública desnecessária.  deslocar à delegacia É por essa e outras que, em relação aos clandestinos, o barato sai caro... muito caro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments