Madeireira Sudoeste

Madeireira Sudoeste

ARTIGO | Tristão, Isolda e o nosso amor (Padre Carlos)*


Hoje, estava refletindo sobre o amor e toda a sua trajetória para que pudéssemos vivenciá-lo de todas as formas que ele nos apresenta neste novo milênio. Quando falamos de amor, esquecemos o longo caminho que este sentimento teve que percorrer até chegar aos nossos dias da forma como concebemos.

Este sentimento romântico, belo e com a intensidade das grandes paixões, vão se formando com a poesia dos trovadores, no século XII, é dentro deste universo medieval que nasce uma nova concepção do amor, estes poetas buscavam através da sua sensibilidade, romper com um antigo mundo, onde a mulher era vista como elemento de desejo de posse física. 
São justamente os elementos platônicos que vão humanizando aquela sociedade e trazendo assim elementos onde a mulher era considerada fonte inspiradora dos bons costumes, o amor passa ser uma força que deve nos orientar pra contemplação do belo em si. O próprio mito Tristão e Isolda faz uma alusão de como o amor e a morte podem estar relacionados.
       

Desta forma, este sentimento chega a Renascença com todos estes elementos e é justamente numa tragédia escrita entre 1591 e 1595, nos primórdios da carreira literária de William Shakespeare, que ele escreve sobre o sentimento que aquela geração estaria disposta a vivenciar. 

Assim, Romeu e Julieta, retrata este amor romântico que a esta altura já se encontra no inconsciente coletivo daquela juventude. Com isto, tenta dar sentido aquela tragédia sobre dois adolescentes cuja morte acaba unindo suas famílias.

Com o passar do tempo, fomos desenvolvendo varias formas de amar as mais comuns são: O amor estável e o amor que busca a intensidade. Eu confesso a vocês que prefiro viver um longo amor, para sempre, numa sucessão de dias, lado a lado. Mas também existem aqueles que buscam o existencial o agora o tudo. 
Como diz Vinícius: 

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor que tive
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Sim, há quem prefira a intensidade, mesmo que dure um só dia, buscando assim às sensações do momento, às vibrações inerentes a vivências fortes e únicas. Há quem valorize a presença constante, o ombro amigo a seu lado, as vivências partilhadas e construídas ao longo do tempo.
       

É esta diversidade nas formas de amar que torna o ser humano único e irrepetível, que faz com que a vida valha a pena ser vivida, sobretudo se aceitarmos e respeitarmos o modo de viver das outras pessoas, se valorizarmos as suas opiniões, o seu modo de ver o mundo. 

Porque é a diversidade que torna o mundo interessante e nos torna interessantes, é a multiplicidade que dá cor, cheiro, sabor, som a um mundo que, de outra forma, seria demasiado padronizado e sem interesse, um mundo onde, por tudo ser igual, tudo se tornaria mecanizado e inerte. A vida está exatamente na diversidade. Não podemos esquecer que o diverso é algo que compõe a condição humana e está intrinsecamente ligado à ideia de humanidade.
SOBRE O AUTOR E SEU CONTEÚDO

* (Padre Carlos Roberto Pereira, de Vitória da Conquista, Bahia, escreve semanalmente para esta coluna)

Sudoeste Digital reserva este espaço para seus leitores. 
Envie sua colaboração para o E-mail: redacao@tvsudoestedigital.com.br, com nome e profissão.

Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do site, sendo de inteira responsabilidade de seus autores.


Um comentário:

  1. É muito bom esse padre publicar conhecimento literário pq nossa juventude está alheia aos conhecimentos,isso busca influenciar os jovens a reflexão.

    ResponderExcluir

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments