Madeireira Sudoeste

Madeireira Sudoeste

ARTIGO | Por que tememos a Morte? (Padre Carlos)*

Faz alguns anos que fui procurado por um senhor que tinha perdido o filho naqueles dias e suas duvidas e incertezas quanto à vida após a morte era evidente.
Apesar de estudar filosofia, teologia e tantas mais ciências, esta resposta não se dá através do intelecto, mas, na certeza que vamos construído com a nossa fé. Suas duvidas e minhas certezas levaram a estes questionamentos, que além de teológico, não deixa de ter suas vertentes filosóficas.

O que é ressuscitar? Esta pergunta sempre aparece nos momentos mais difíceis da nossa vida. Um dos grandes problemas da nossa existência, é não saber conviver com a incerteza - com a dúvida, somos imortais ou com a morte acaba tudo? Deus existe ou não?  Tudo isto se trata de um dado de fé e não existe uma régua para medir o tamanho das nossas certezas.
      
Crer em Deus é fundamental para dar sentido à minha vida, são estas certezas que não deixa o desespero se apossar da minha alma nem a melancolia toma conta de mim, pois acredito na vida eterna. 

E se, exatamente na hora da minha morte, me revelassem que estava enganado? 

Desta forma, faço das palavras do célebre teólogo Hans Küng, as minhas: "E se eu tivesse me enganado e na hora da minha morte entrasse não na vida eterna de Deus, mas no nada? Se assim fosse, de qualquer modo teria vivido uma vida melhor e com mais sentido do que sem esta esperança.”.


A morte é um evento natural. Morremos como qualquer animal, mas nós não somos um animal qualquer: o que caracteriza o ser humano é a consciência de que é mortal, insurgindo-se ao mesmo tempo contra a morte. 

Assim, as questões teológicas passam para o campo filosófico para responder, as perguntas últimas, metafísicas e religiosas: qual é o fundamento de tudo, o que sou e quem sou, donde venho, para onde vou, qual o sentido, o sentido último da minha existência e de tudo?

As palavras de Leonardo Boff a Darcy Ribeiro no seu leito de morte, sobre a ressurreição tem um sentido que vai além da metáfora. Boff fala para Darcy que esta leitura de que tudo acaba que a morte é o fim, nada mais é que uma interpretação de quem não conhece a misericórdia de Deus, citando a história do casulo e da borboleta: “Darcy, acho que é uma interpretação de quem vê de fora. 

É como você ver a borboleta e ver o casulo. Você pode chorar pelo casulo que foi deixado para trás e ver que ele morreu. Mas você pode olhar a borboleta e dizer: Não, ele libertou a borboleta, e ela é a esperança de vida que está dentro do casulo". Boff continua - "Darcy, deixa te dizer como imagino tua chegada, o teu grande encontro não vai ser com Deus Pai porque para você Deus tem de ser Mãe, tem de ser mulher..." (risos)

Entre a fé, a esperança e o amor, o maior sempre será o amor, pois o amor permanece para sempre. Enquanto que a fé acabará quando tudo for revelado, da mesma forma que a esperança, que não fará mais sentido, quando o esperado for alcançado. E então haverá apenas o amor e ele permanecerá por toda a eternidade, pois Deus é amor e nós o seremos com Ele.
        
Voltando aquele pobre homem que estava de luto com a perda do próprio filho, falei de um velho provérbio judaico que diz: “Os filhos que deixamos para trás são nossas boas ações.” 

Meu amigo, não podemos esquecer que o impacto positivo que causamos naqueles que amamos e convivem com a gente é eterno. Toda boa ação que fazemos, por mais insignificante que possa parecer, deixa uma marca permanente no mundo. 

E a bondade acumulada no decorrer de uma vida inteira de moral é uma força de energia positiva que deixa uma impressão duradoura que jamais pode se perder...


Depois que ouviu todas estas coisas, aquele homem agradeceu por tudo e foi embora.

SOBRE O AUTOR E O CONTEÚDO POSTADO



* (Padre Carlos Roberto Pereira, de Vitória da Conquista, Bahia, escreve semanalmente para esta coluna)

Sudoeste Digital reserva este espaço para os leitores. Envie sua colaboração para o E-mail: redacao@tvsudoestedigital.com.br, com nome e profissão.

Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do site, sendo de inteira responsabilidade de seus autores.

Conteúdo integral conforme postado no blog: padrecarlospt.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Comments