CRIME CONTRA A SAÚDE PÚBLICA | Abatedouro clandestino vendia carne de cavalo como se fosse bovina


A Polícia Civil juntamente com ADAB e Vigilância Sanitária descobriram um abatedouro clandestino de cavalos, em um sítio nas imediações do Distrito de Fazenda Velha, zona rural e Jequié.


Segundo o delegado Ivan Lessa, a Polícia estava investigando o furto de animais da raça mangalarga marchador, de um grande criador dessa raça em Jequié. 

Chegando no sítio foram encontrados restos mortais dos equinos e uma grande quantidade de carne de equinos cortada e acondicionada em uma freezer velho enferrujado. 

Para o delegado esse abate e venda de carne de cavalos em açougues da região de Jequié já vem acontecendo há mais de dois anos.

Todo o material apreendido foi incinerado pela ADAB. O Diretor da Vigilância Sanitária, Alberto, disse que a carne de cavalo quando transformada em charque fica difícil a identificação a olho nu, se cortada em pedaços pequenos e misturada a outras carnes fica difícil fazer a distinção. 

A carne de cavalo também pode transmitir várias doenças ao ser humano.

O açougueiro João Preto saiu em defesa da categoria e disse que no Mercadão Vicente Grilo não vende carne de cavalo e que esse produto pode estar sendo vendido em cidades da região. 

João Preto disse ainda que o jequieense pode continuar comprando carne no mercadão por que os açougueiros têm responsabilidade. | Jr. Mascote.

Postar um comentário

0 Comentários